Audiência VS Seriedade

Texto muito bom que fala da forma que parte da imprensa trata algumas parcerias (principalmente se tratando de Palmeiras), do blog Jogo de Negócios do Terra, reproduzo de forma integral. Obs.: O texto mostra algo que já sabia, o Palmeiras sempre foi pioneiro em várias ações dentro do Futebol, que hoje é padrão.


Parceria de Palmeiras com hotel abre debate sobre cobertura da mídia
por Fábio Kadow

O mercado de marketing esportivo é novo no Brasil. Não canso de repetir isso porque até 1992 no caso do futebol, com a chegada da Parmalat ao Palmeiras, não existia nem o famoso backdrop, hoje um vilão das emissoras de televisão. E a empresa italiana foi alvo de diversas críticas pelas ações que fez naquele período, mas que hoje fazem parte do cotidiano (patrocínio em camisa de treino era novidade também). Até a década de 80 os times de vôlei ainda eram chamados de Pirelli ou Transbrasil sem preocupação nenhuma pela imprensa.

O tempo passou e nos últimos vinte anos o mercado cresceu, o volume de dinheiro envolvido disparou e sempre nas conversas e matérias os exemplos vem da Europa e dos Estados Unidos, onde criar diversas propriedades relacionadas ao mundo do esporte e comercializá-las é prática comum.

Porém, quando surgem questões como naming rights, construção de novas arenas (não estou falando dos estádios públicos) e novos modelos de negócios tudo é visto de maneira distorcida por boa parte da imprensa, acostumada até então a comentar os lances, esquemas táticos, erros técnicos, etc. Repito, existem (boas) exceções. Mas, como costuma dizer um amigo meu, “parece que no Brasil, ganhar dinheiro com o futebol é crime”.

Talvez seja por isso que o empresário Walter Torre de repente foi eleito pela mídia como o maior vilão da torcida palmeirense, apesar de estar investindo milhões numa arena moderníssima com o objetivo de (óbvio) recuperar este dinheiro e lucrar. Em contrapartida o Palmeiras tem que ceder em alguns pontos, caso contrário continuaria com o antigo Palestra por muitos anos. Qual clube tem R$ 300 milhões para fazer isso atualmente de maneira independente? Pelo volume de créditos liberados pelo BNDES, acredito que nenhum.

Agora a notícia que o mesmo Palmeiras fechou uma parceria de cerca de R$ 2 milhões com a rede de hotéis Holiday Inn em troca de ações promocionais (aqui fica a minha crítica, sempre as famigeradas placas, que tal pensar em algo mais?) no centro de treinamento do clube chega de maneira jocosa em alguns veículos, sempre com o tom de “economizar”, time está repleto de “dívidas”, etc.

Sim, é verdade, assim como todos os demais também estão. Mas usar a criatividade para criar propriedades e associar a força da marca aos mais diversos serviços para economizar e até mesmo lucrar é sim um bom negócio. Acredito que todos os demais times deveriam buscar o mesmo, pensando sempre na ativação do patrocínio. Talvez por isso que somente nos últimos doze meses diversos acordos semelhantes foram assinados pelo mundo todo. Abaixo uma lista resumida.

- Four Points (Sheraton) e MLS
a rede de hotéis anunciou ontem acordo com a liga de futebol dos EUA para ser o hotel oficial, terá camarotes em jogos decisovos e além disso vai oferecer descontos especiais aos fãs cadastrados no site da Major League Soccer

- Westin Hotels e US Open
um dos principais torneios do circuito mundial de tênis (e o mais lucrativo) tem contrato de patrocínio e também oferece serviços especiais para os turistas que quiserem se hospedar durante o período da disputa

- British Swimming e InterContinental Hotels
atletas da federação inglesa de natação ficam hospedados nos hotéis da rede em competições realizadas no Reino Unido, a empresa ainda dará todo o suporte na preparação da equipe olímpica e paraolímpica

- USA Swimming e Marriot
a fortíssima equipe norte-americana de natação tem acordo similar com o Marriot International, que também patrocina a federação de hockey dos EUA no gelo e a categoria FIA World Touring Car de automobilismo

- Holiday Inn e rugby
a mesma empresa que fechou com o Palmeiras costuma fazer o mesmo com os times que disputam a liga nacional de rugby na Australia

- Premier Inn e Dan Lucker
a rede inglesa disponibiliza todos os hotéis da rede para o atleta paraolímpico e medalha de ouro Dan Lucker, ídolo no país e que vem se preparando os Jogos de Londres no ano que vem

Adicionar novo comentário

Devido a comentários sem educação, aguarde a moderação