Fiat oferece R$ 26 MI até 2011


A proposta já está na mesa do presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, e o martelo deve ser batido nas próximas semanas. A Fiat voltou com força e ofereceu R$ 26 milhões até o fim de 2011 para ser o “novo-velho” patrocinador da camisa do Palmeiras.

O valor é apenas para estampar a marca no peito e nas costas da camisa palmeirense, o que deixa o clube com a chance de fechar com outras empresas para calção e manga do uniforme. É isso o que mais anima a diretoria palmeirense, que nos próximos dias deve se reunir com a Samsung para formalizar o final do acordo entre ambos.

O negócio, porém, ainda depende de um acerto para o término do contrato com a multinacional coreana, com validade até dezembro de 2011. A matéria completa você confere clicando aqui.

Com o novo negócio, o Palmeiras segue a “moda” do Corinthians de lotear o uniforme para várias marcas. Como já repetido à exaustão por aqui, esse não é o caminho que o esporte como ferramenta de marketing deveria tomar.

O futebol oferece a um parceiro comercial muito mais do que a simples visibilidade da marca. E é isso que os clubes deveriam se esforçar para trabalhar. Em vez de fazer de sua camisa um outdoor ambulante, teriam de mostrar para um eventual parceiro as infinitas possibilidades de se beneficiar desse negócio.

Por mais incrível que possa parecer, hoje quem sabe melhor trabalhar a força de sua marca é a CBF. Ela não vende mais a seus parceiros a visibilidade que os treinos da seleção podem oferecer, mas a chance de associar a empresa ao time nacional, seja em promoções para o público, seja em campanhas de incentivo para funcionários, para ficar só no básico.

Nos últimos dois anos, o futebol entrou na onda de que o grande barato que ele tem a oferecer é a exposição de uma marca. Mas isso não tem o mesmo impacto de um comercial na televisão. Para dar retorno, além da exposição, o patrocinador tem de ir além, fazer algo mais com o torcedor daquele clube.

Só que, loteando a camisa do jeito que o futebol faz hoje, sobra poucas propriedades para serem garantidas a outros parceiros. Um exemplo banal da força que o futebol tem é dado pelo Milan. Na Itália, o clube realiza dois encontros anuais entre os mais de 40 parceiros comerciais que têm. Essas reuniões resultam em negócios gerados entre os patrocinadores, que por conta dessa oportunidade acabam cada vez mais ficando ao lado do clube.

Quanto o Milan ganha com esses negócios? Mais de 50 milhões de euros ao ano. Quantas marcas aparecem na camisa do Milan? Só duas...

O futebol brasileiro continua a se ver como vitrine, e não como produto.

=====

Obs. 1: Só não fica claro, ainda, como seria uma rescição com a Samsung.
Obs. 2: Como eu queria que a Samsung cobrisse esta proposta.

4 Comentários até agora.

  1. Binóculo Verde escreveu:

    Tb ficaria muito feliz com a manutenção da Samsung no uniforme alviverde.

  2. aldo escreveu:

    MAIS UMA CAGADA DA DIRETORIA.VEJAMOS:
    OS 26MI SÃO POR 19 MESES DE CONTRATO, OU SEJA, TERMINA NO FINAL DE 2011.SE DIVIDIR POR ANO,DARIA ALGO EM TORNO DE 13,5MI/ANO.MESMO LIBERANDO AS MANGAS,E O VERDÃO VENDESSE MUITO BEM O ESPAÇO, SERIA ALGO EM TORNO DE 4MI/ANO.SOMANDO TUDO DARIA 17 OU 18MI NO MÁXIMO.OU SEJA, PODERÁ FICAR QUEIMADO NO MERCADO POR QUEBRA DE CONTRATO,A IMPRENSA (QUE NOS ODEIA)VAI EXPLORAR AO MÁXIMO O FATO(AINDA MAIS QUE O TIMECO DO CORAÇÃO DELES(OS BAMBIS), ESTÃO SEM PATROCÍNIOS E ESTÃO LOUCOS E DESESPERADOS POR UM.TUDO ISSO POR 3MI A MAIS.E OLHE QUE NEM VOU COMENTAR SOBRE A POLUIÇÃO VISUAL NA CAMISA E, PARTICULARMENTE ACHAR QUE A CAMISA COM A FIAT DE SIMBOLO FICA MAIS FEIA. REALMENTE,ACHO QUE NÃO SEJA UM BOM NEGÓCIO.

  3. Henrique Marujo escreveu:

    Eu tbm ficaria muito feliz caso a Samsung cobrisse essa proposta, mais vamos de Fiat mesmo caso seja a melhor. O que importa é um time bom e competitivo jogando o futebol que o torcedor quer ver.

  4. Irineu Curtulo escreveu:

    Aldo, e ainda existe a tal multa por quebra de contrato, certo? Essa é a pior administração dos últimos 50 anos. A imprensa persegue o Palmeiras, e isso é óbvio, como é claro ambém o protecionismo em relação aos bambis e gambás, mas, acima de tudo e de todos, a nossa diretoria ajuda, e muito, essas notícias distorcidas em relação ao clube.
    Alguém poderia me informar sobre o quanto ganhamos em porcetagem da Adidas com a venda das camisas e outras confecões? É só pra saber o quanto perdemos com a venda do Valdívia.

Adicionar novo comentário

Devido a comentários sem educação, aguarde a moderação