Mais STJD

Mais um texto da autora do texto anterior, retirado da comunidade do Palmeiras, mas ela preferiu não ser identificada.

Elevando a pesquisa para os 5 candidatos ao título, veremos que a defesa palmeirense (ao fato de falarem que estão roubando ao nosso favor) de que não somos beneficiados vai ainda mais longe, mas analisando a fundo quem foi beneficiado com isso.

Mas vai um breve resumo, de episódios nos bancos dos reús no Brasileirão 2008, junto com resultados favoráveis (absolvições e ganhos em recurso) e desfavoráveis (punições e perdas em recurso):

- Palmeiras: 14 vezes
9 resultados desfavoráveis ao clube
4 resultados favoráveis ao clube
1 resultado favorável a ser revisto pelo tribunal

- Grêmio: 4 vezes
2 resultados favoráveis ao clube
2 resultados desfavoráveis ao clube

- São Paulo: 4 vezes
3 resultados desfavoráveis ao clube
1 resultados favorável ao clube

- Flamengo: 4 vezes
2 resultados favoráveis ao clube
2 resultados desfavoráveis ao clube

- Cruzeiro: 3 vezes
3 resultados favoráveis ao clube

Palmeiras foi o clube que mais foi indiciado pelo STJD (o triplo ou o quádruplo de vezes dos seus concorrentes) dentre todo o campeonato e o que mais sofreu punições do Tribunal. Repito, mais uma vez: se isso é ser "beneficiado pelo STJD", gostaria de saber o que seria um "Palmeiras prejudicado".

E o incrível é que agora que o São Paulo entrou no G4 na reta final, Grêmio e Palmeiras se encontram caçados pelo STJD no mês de outubro - o Grêmio com o absurdo que vimos nessa semana e o Palmeiras nos 3 julgamentos que estão por vir.

Mas apesar de tudo, os gremistas preferem continuar bradando que "Palmeiras é o maior beneficiado do STJD", ao contrário do que dizem os números absurdos do comparativo. Enquanto isso "o real beneficado" assiste a tudo, mais uma vez, de camarote, vendo gremistas e palmeirenses se comendo vivos, e o STJD caçando covardemente ambos.

Compreendemos que o repudio gremista e o discurso de "favorecimento e compra" em benefício do Palmeiras surgiu com a absolvição de Diego Souza - jogando na lata do lixo toda a perseguição que o Palmeiras sofreu, sendo caçado pelo STJD em detrimento aos seus concorrentes.

Esta absolvição surpreendeu os palmeirenses, com estarrecimento geral à "mudança de comportamento do STJD perante o clube", numa inexplicável absolvição quando foi notório que o Diego Souza poderia ser punido.

Mas basta analisar um pouco mais a fundo o polêmico episódio desta absolvição, com tudo em torno dele em relação a benefícios e prejuízos - e sobretudo, a quem. Se é para criar "teorias da conspiração" como faz o Grêmio, o Palmeiras está com munição cheia:

Na mesma semana em que Diego Souza cometeu o ato, o São Paulo teve jogador em igual ação de violência e ato antidesportivo - Dagoberto, idêntica a de Chicão do Corinthians e cujo este último jogador recebeu 120 dias de punição no Tribunal.

O são-paulino nada sofreu. Sequer foi indiciado e levado ao Tribunal.

Mas Diego Souza, sim. Então como punir o palmeirense sem chamar atenção ao fato semelhante, na mesma semana? Absolve-se, então, e esconde-se o favorecimento ao outro beneficiado.

Mas isso gerou a imagem de "benefício ao Palmeiras". Então qual o próximo passo para o STJD se mostrar "imparcial"? Punir o Grêmio - e de maneira dura e jamais vista, como acompanhamos. Mas pela intensidade da punição do Grêmio, surge novamente a imagem da parcialidade.

Ora, mas Palmeiras será julgado logo a seguir, na próxima semana em 3 episódios. Um deles, para voltar à absolvição de Diego Souza - dessa vez, com o critério da mão de ferro aplicada ao Grêmio e já bastante longe, em semanas, da ação de Dagoberto.

Com isso, o STJD passa a ser o "imparcial" - com o martelo que bateu no Chico gremista batendo no Francisco palmeirense. Bate-se nos dois primeiros colocados do Brasileirão e deixa-se o São Paulo quietinho no seu canto, como está.

Aliás, como sempre esteve, entra ano e sai ano. Só o gremista não vê... Talvez quando o Grêmio perceber isso, será tarde demais.

Adicionar novo comentário

Devido a comentários sem educação, aguarde a moderação